segunda-feira, 2 de junho de 2008

Projetos buscam a paz.


O ComSeTran ( Comitê de Segurança no Trânsito ) tem um projeto especial de acompanhamento às pessoas acidentadas no trânsito. A pessoa que sofre um acidente tem sua vida mudada radicalmente. Ela perde o emprego, pode ficar imobilizada e se sentindo mal quieto ali na sua casa, precisa comprar remédios, enfim, é necessário todo um acompanhamento, ajudando de todas formas possíveis...", explica Finholdt.
Outro projeto do ComSeTran é o "Eu respeito a Faixa", no qual voluntários fazem teatro nas ruas, para despertar nos pedestres a segurança que a faixa proporciona aos pedestres e no motorista a importância do respeito ao limite da faixa. Há também o "Amigo da Vez", em parceria com a SESTTRAN, onde fiscais e voluntários percorrem os bares da cidade e abordam cada mesa. "O objetivo é fazer com que em cada grupo de amigos, um deles não beba para levar os outros para casa", explica Finholdt. "Este projeto é dedicado principalmente aos jovens, que precisam se conscientizar que o trânsito impõe limites. Limites do álcool e da velocidade. O maior número de mortes no trânsito é de pessoas que têm de 18 à 25 anos", afirma Vanilda.
O pessoal da SESTTRAN também é frequentemente convidado à ministrar palestras em em-presas, durante as Semanas Internas de Prevenção de Acidentes de Trabalho, SIPATs, uma vez que se o funcionário se acidentar a caminho do serviço, a empresa é responsável.Há também aulas educativas para motoristas infratores. Quem cometer uma infração leve ou média tem a chance de torcar a multa e os pontos que seriam perdidos na Carteira Naciondal de Habiliação por uma aula, onde acontece um bate papo informal, um momento de reflexão.As crianças e os deficientes também recebem atenção. "Te-mos um semáforo es-pecial para deficientes visuais na Avenida Odilon Fernandes, e vamos fazer uma nova experiência. Vamos percorrer as ruas da cidade para cobrar dos motoristas que "esqueceram" que os rebaixamentos de calçada são para os deficients físicos," explica Vanilda.No pátio do ComSeTran, está instalada a Transitolândia. "Trazemos as crianças e depois de uma aula ao ar livre, elas passeiam pela mini-cidade onde temos vários sinais de trânsito. Neste ano já passaram mais de mil crianças por aqui", diz Finholdt.
Mas Finholdt lem-bra: "Não adianta nada nós trabalharmos, o governo, a polícia , se cada um não fizer sua parte".De 18 à 25 de setembro acontece em todo o Brasil a Semana Nacional do Trânsito. O último dia é o Dia Mundial do Trânsito. É determinado por lei que cada cidade deve desenvolver atividades educativas nesta semana. As entidades de cada cidade escolhem a forma mais adequada de trabalhar nesta data. A única exigência é que seja de acordo com o tema escolhido pelo Conselho Nacional de Trânsito, ConTran, que muda à cada ano. Nesta ano, o tema já foi escolhido: não falar ao celular enquanto estiver dirigindo. Finholdt aprovou: "Não consigo entender porque os motoristas, quando o celular toca, têm tanta pressa em atender. Será que é medo da bateria acabar? Porque não encostam mais à frente e então atendem?", questiona.As atividades já estão programadas. "Teremos teatro com fantasias de semáforo, placas, morte...temos que dar um destaque especial para a morte", diz Vanilda. "Se eu te mostrar uma pombinha ali, você vai ver mas logo esquece. Mas se eu mostar uma simulação de morte por causa do celular, você já vai prestar mais atenção. Infelizmente, o homem só dá atenção se tiver morte relacionada. Parece que tem que ver sangue para aprender", lamenta ela.

2 comentários:

Jeanne disse...

Maria Fernanda, tem um meme pra ti lá no blog.
Boa noite, beijos

Tânia Defensora disse...

Porque o nosso DETRAN não enxergar isso hein?
Bjus