sexta-feira, 4 de julho de 2008

A HONRA TAMBÉM SE ENSINA



"Feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina."

Cora Coralina



É comum, em nossos dias, ouvirmos reclamações por parte de pessoas que se sentiram desrespeitadas em seus direitos. É o médico que marca uma hora com o paciente e o deixa esperando por longo tempo, sem dar satisfação. É o advogado que assume uma causa e depois não lhe dá o encaminhamento necessário, deixando o cliente em situação difícil. É o contador que se compromete perante a empresa em providenciar todos os documentos exigidos por lei e, passados alguns meses, a empresa é autuada por irregularidades que este diz desconhecer. É o engenheiro que toma a responsabilidade de uma obra, que mais tarde começa a ruir, sem que este assuma a parte que lhe diz respeito. É o político que promete mundos e fundos e, depois de eleito, ignora a palavra empenhada juntos aos seus eleitores. Esses e outros tantos casos acontecem com freqüência nos dias atuais. É natural que as pessoas envolvidas em tais situações, exponham a sua indignação junto à sociedade, e reclamem os seus direitos perante a justiça. Todavia, vale a pena refletirmos um pouco sobre a origem dessa falta de honradez por parte de alguns cidadãos. Temos de convir que todos eles passaram pela infância e, em tese, podemos dizer que não receberam as primeiras lições de honra como deveriam. Quando os filhos são pequenos, não damos a devida atenção às suas más inclinações ou, o que é pior, as incentivamos com o próprio exemplo. Se nosso filho desrespeita os horários estabelecidos, não costumamos cobrar dele uma mudança de comportamento. Se prometem alguma coisa e não cumprem, não lhes falamos sobre a importância da palavra de honra. Assim, a palavra empenhada não é cumprida, e nós não fazemos nada para que seja. Ademais, há pais que são os próprios exemplos de desonra. Prometem e não cumprem. Dizem que vão fazer e não fazem. Falam, mas a sua palavra não tem o peso que deveria. É importante que pensemos a respeito das causas antes de reclamar dos efeitos. É imprescindível que passemos aos filhos lições de honradez. Ensinar aos meninos que as irmãs dos outros devem ser respeitadas tanto quando suas próprias irmãs. Que a palavra sempre deve ser honrada por aquele que a empenha. Ensinar o respeito aos semelhantes, não os fazendo esperar horas e horas para só depois atender como que estivéssemos fazendo um grande favor. Enfim, ensinar-lhes a fazer aos outros o que gostariam que os outros lhes fizessem, conforme orientou Jesus. Não há efeito sem causa. Todo efeito negativo, tem uma causa igualmente negativa. Por essa razão, antes de reclamar dos efeitos, devemos pensar se não estamos contribuindo com as causas, direta ou indiretamente.



Equipe de Redação do Momento Espírita.

6 comentários:

Sahmany disse...

Realmente! É bem assim que as coisas são.
Beijos e bom fds.
Se tiver um tempinho me visite lá no Amigão tá?
http://www.turmadoamigao.blogspot.com/

Tânia Defensora disse...

Que aula de honradez hein?
Preciso observar mais para ver se estou ensinando meu filho a ser uma pessoa honrada.
Muito boa postagem.
Beijos

Jeanne disse...

Honradez, respeito, sinceridade, fraternidade, valores que estão em queda, infelizmente.
Querida, tem um selo pra ti lá no blog, beijos

Espaço Mensaleiro disse...

Maria Fernanda
nem ti conto tudo que me aconteceu
durante a semana passada...

Vou me sentir muito melhor se você me presentear com uma imagem
para que eu possa colocar no
PRESENTES DOS AMIGOS do blog.

Não tem pressa, quando alguém
te presentear, se você achar que deve.......

Um beijão!
Eliana

Tânia Defensora disse...

Oi Fernandinha!
Tem mais dois selinhos para vc lá em casa.
Beijinho

Vinicius disse...

Boa noite.Estava meio sumido, mas voltei...:O)
É as pessoas as vezes são "preguiçosas",vaidosas exageradamente,e querem se dar bem o tempo inteiro, pisando nos outros como baratas.
Infelizmente isso existe, pobre dos que dependem "deles"....:o(
Tenhas uma ótima noite e uma semelhante quinta-feira.
Abraços.